quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Bento XVI a ele nosso Respeito e Amor



         Em meio há algumas discussões e a várias insinuações feitas por muitos que se dizem “católicos” sobre nosso amado Papa emérito Bento XVI me vi na obrigação como Cristão Católico que sou, e amante da verdade, de escrever esse artigo para nosso blog. Meus amigos é muito triste quando vemos “católicos” crucificando o Papa emérito por ele ter um carisma diferente do nosso atual Papa Francisco, sim devemos amar e respeitar o Papa reinante que é Francisco, mas também devemos um  profundo respeito e amor o Papa Bento XVI: Sim ele emérito, mas não deixou de ser Papa, ou seja, tem que haver amor entre nós suas ovelhas a ele, um homem que dedicou toda sua vida para o bem da Igreja.

                Alguns fatos vem me chamando a atenção e ao mesmo tempo me entristecendo muito, quando lancei na página do face “Poesias Católicas” uma foto com três Papas sendo eles, João Paulo II, Bento XVI e Francisco muitos se direcionavam com palavras de amor, em grande parte dos comentários a duas figuras sendo somente João Paulo e Francisco deixando de lado Bento.   Mas o que há conosco católicos?! Por que não amar Bento XVI? Por que ele não é de muito sorriso?! Meus amigos, grande foi o Papel de S.s emérito quando era o pontífice da Santa Igreja Romana, ele foi responsável por grandes feitos em seu ministério Petrino,  convocando a toda a Igreja rezar pelos Padres, mostrando ao mundo que sim os sacerdotes precisam de nossa orações e preces, mostrando que antes de sair da Igreja para buscar e evangelizar teríamos que ter FÉ, convocando assim o ano da Fé para que pudéssemos refletir e estudar nossa Fé Católica para que nos tornássemos melhores Cristãos que defendem sua Igreja e sua fé.

Papa Bento XVI usando o Fanon papal
                Desde sua eleição em 2005 o Papa Bento sempre se mostrou um homem de muita fé e amor a Santa Igreja, resgatando valores antigos que foram se perdendo com o tempo, como por exemplo uso do crucifixo no altar, mostrando que não é o Padre o centro da Santa Missa mais sim o Cristo, vivo que vem ao nosso encontro e ao encontro do sacerdote através de suas mãos. Mostrou-nos a beleza da Igreja, a riqueza de sua liturgia, e muitos podem até pensar: Mas tantos pobres passando fome e o Papa sentado em seu trono de ouro! Muitos católicos disseram isso, se comportaram como os discípulos de Jesus como vemos em Mc. 14 que ao ver aquela mulher entrando e quebrando um vidro de perfume e o jogando sobre a cabeça de Jesus eles logo dizem com raiva: "Por que desperdiçar esse perfume? O perfume poderia ser vendido por mais de trezentas moedas de prata, que poderiam ser dadas aos pobres." E criticavam a mulher. (Mc 14, 4-5). O Senhor vendo aquela cena logo exorta seus discípulos dizendo: "Deixem-na. Por que vocês a aborrecem? Ela está me fazendo uma coisa muito boa. Pobres sempre tereis convosco.” (Mc 14, 6-7).  Meus amigos é muito fácil criticar, difícil é respeitar, obedecer e amar. Como diz um grande santo da Igreja se eu amo isso já me basta, pois se eu amo eu respeito, se eu amo eu obedeço.
                
Bento XVI ao ser escolhido o chefe da Igreja a mídia logo foi gritando pelos quatro cantos “A Igreja ira regredir!” e o que vemos é uma Igreja viva e atuante no seu tempo. Muitos teólogos inclusive protestantes reconheciam o Papa Bento como o maior teólogo vivo no século, um homem de profunda oração e amor a Deus. Seu irmão logo que perguntando falou de seu carisma disse a todos que Joseph era um homem vergonhoso, tímido por isso não era muito expressivo e foi o suficiente para muitos entenderem e amarem Bento XVI.

Em sua primeira carta encíclica como chefe da Igreja, ele logo nos mostrou qual seria seu plano de pastoreio  nos dizendo em alto e bom som “Deus caritas est”, ou seja, “Deus é amor” o Papa nos mostrou o amor de Deus pelos homens em seu doce e belo escrito. Antes de visitar nosso amado Brasil a imprensa logo veio fazendo suas especulações maldosas, que o Papa era uma pessoa fria, que o povo não iria gostar dele no Brasil por ser distante e logo ao chegar mostrou o contrario, se mostrou amável mesmo tímido, caloroso vencendo sua timidez e voltou para Roma com nosso amor!

Tivemos João Paulo II que mostrou seu amor a Igreja ficando até o fim e tivemos Bento XVI que mostrou seu amor se reconhecendo fraco para os tempos que a Santa Igreja passava, ele mostrou ser incapaz. Como imaginar que um homem tão intelectual se mostrou tão pequeno diante de um mundo tão orgulhoso e que busca sempre o poder mesmo tendo que passar sobre os outros?! Ele que em sua última audiência nos diz: “Por vezes me senti sozinho no meio da tempestade”, ele se mostra humano como nós,  que tem seus medos, mas nos conforta ao dizer: “Mas sempre via depois que o Senhor estava comigo, que o Senhor estava com a Sua Igreja”. Amigos, temos que aprender muito com o nosso amado Papa Emérito Bento XVI  a sermos humildes como ele foi, humildes ao ponto de nos reconhecer pequenos e incapazes diante da grandeza de Deus.

Bento XVI nos deu seu testemunho, ele deu a sua vida pela Igreja e o nosso dever é amá-lo e seguir cada vez mais seus ensinamentos, por isso antes de criticá-lo o conheça, estude seus discursos e seus gestos. Não jogue pedra somente, e lembre-se,  hoje ele esta lá rezando por toda a Igreja, inclusive por você e eu. Deus seja louvado por ter dado a sua Igreja tão grande e humilde servidor. Que nós possamos sempre em nossas orações lembrar daquele que tanto rezou por nós e sempre dizer em oração: Obrigado Senhor pela vida do nosso Papa emérito, obrigado por seu exemplo e testemunho de fé e ensina-me a seguir seus exemplos de fé e humildade.


Nenhum comentário:

Postar um comentário